Os departamentos de Vigilância Epidemiológica e de Atenção Primária da Secretária de Saúde têm pela frente um novo trabalho: garantir a vacinação de meninas entre 11 e 13 anos contra o vírus papiloma, mais conhecido por sua sigla em inglês, HPV. Ele é o principal causador do câncer de colo de útero nas mulheres. Ao todo, 110 profissionais vão visitar escolas e colher dados para identificar o número exato do público alvo. Ao menos 80% das adolescentes nessa faixa etária deverão ser vacinadas.

O trabalho da Prefeitura segue orientações do Ministério da Saúde, que definiu para 10 de março o início da imunização de pelo menos 4,1 milhões de adolescentes. A faixa etária escolhida se dá em razão dos estudos que apontam que nessa idade, uma vez imunizadas, as mulheres produzem uma quantidade maior de anticorpos, potencializando a eficácia da vacina.

Para garantir que todas as jovens recebam a vacina, a Secretaria de Saúde vai trabalhar em conjunto com as escolas públicas e privadas do município. A direção dos colégios vai informar à pasta os nomes das alunas entre 11 e 13 anos. Os dados serão repassados ao Ministério da Saúde. Só então as doses serão liberadas nominalmente. As escolas serão, também, o palco de uma série de palestras de conscientização acerca do papiloma. Nesta quarta (18), quinta (19) e sexta (20) e nos dias 25 e 26 deste mês, equipes da Secretaria de Saúde irão às escolas levar informação r esclarecimentos sobre o vírus. Mas não estarão sozinhos na tarefa. Pedirão ajuda aos professores de ciências e biologia para abordar o tema nas salas de aulas.

A imunização
A vacinação será distribuída em três doses, método considerado mais eficaz. A primeira delas será administrada a partir de 10 de março em todas as unidades básicas de saúde, nas redes de ensino públicas e privadas. A segunda dose será aplicada daqui a seis meses, desta vez, apenas nas unidades de saúde. A dose final deve ser tomada cinco anos mais tarde.

Sobre o HPV
O HPV é um vírus transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas, por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para filho no momento do parto. Estimativa da Organização Mundial da Saúde aponta que 290 milhões de mulheres no mundo são portadoras da doença.  Cerca de 270 mil mulheres em todo o mundo já morreram de câncer de colo do útero. Neste ano, o Instituto Nacional do Câncer estima o surgimento de 15 mil novos casos e cerca de 4,8 mil óbitos. O Ministério da Saúde orienta que mulheres na faixa etária dos 25 aos 64 anos façam o exame preventivo, o Papanicolau, anualmente. A vacina não substitui a realização do exame preventivo e nem o uso do preservativo nas relações sexuais.